About Me

Notícias

Próstata e Obesidade

Câncer de próstata em obesos é mais agressivo

O urologista americano Stephen Freedland, da Duke Prostate Center, um dos maiores pesquisadores da relação da obesidade com o câncer de próstata apresentou neste domingo, dia 8, no 32º Congresso Brasileiro de Urologia, em Goiânia, suas últimas descobertas sobre o tema. De acordo com ele, quatro aspectos fundamentais fazem o câncer nesse grupo ser mais agressivo e também dobra as chances de reincidência após a retirada do tumor: a diluição do PSA, o aumento do hormônio feminino no corpo (estrogênio), o aumento da próstata no obeso e a dificuldade de se fazer biopsia do órgão e a produção de IGF1 (substancia que aumenta a incidência dos tumores).

Para Freedland, a obesidade leva à queda de alguns hormônios, como a testosterona, e ao aumento de outros, como o estrogênio, e isso poderia influenciar no aumento da incidência de tumores. "Nos EUA a obesidade é um problema de saúde pública. Cerca de 30% dos adultos são obesos. Sabemos que a obesidade está ligada a cardiopatias, diabetes e outros problemas e agora estamos estudando sua relação com o câncer", disse.

De acordo com ele, os obesos também têm resistência à insulina que é um fator influente para o aumento do risco de câncer de próstata. "Diabéticos têm mais tendência a desenvolver tumores devido a produção do IGF1", complementa Marcos Tobias, professor da Faculdade do ABC e chefe do Serviço de Urologia do Instituto Brasileiro de Controle do Câncer.

Segundo os estudos de Freedland, nos obesos o câncer de próstata tem mais chances de ser mais agressivo e o dobro de chances de haver reincidência após a retirada o tumor.

"Já percebemos também que quanto mais obesa a pessoa é, menor é o seu índice de PSA. Pois conforme o IMC aumenta, os níveis de PSA diminuem. O obeso tem um volume sanguíneo maior e produz a mesma quantidade de PSA de uma pessoa normal, então, a conclusão a que chegamos é que nos obesos há mais volume de sangue e o PSA fica mais diluído por isso esse resultado mais baixo", afirmou.

Para Freedland, é preciso criar um índice de PSA ajustável ao IMC (índice de massa corpórea). Segundo Tobias, os médicos hoje em dia já têm indicado biópsia em obesos com PSA de 2ng/ml. Em pessoas normais, a indicação vale a partir de 2,5ng/ml.

Outro dado apresentado pelo renomado urologista americano foi que os homens obesos têm a próstata maior, então é mais difícil diagnosticar um câncer por meio de biópsia. O médico finalizou explicando que tem dedicado grandes esforços nesses estudos para encontrar respostas para essa relação entre a obesidade com os cânceres de próstata mais agressivos e ajudar nos diagnósticos precoces.

"O câncer de próstata em obesos é mais agressivo e sua evolução é mais rápida. Por isso, a incidência de mortes entre obesos para câncer de próstata é alta", disse Tobias.

Fonte: Terra Ciência

About Heytor Neco

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.