About Me

Notícias

Micro no Espaço

Sonda Phobos-Grunt levará microorganismos ao espaço

Na exploração do espaço, o Planeta Vermelho sempre é o destaque das missões científicas. Mas há boas razões também, para se observar Phobos ─ a mais interna e maior das pequenas duas luas de Marte. A Agência Federal Espacial Russa (Roscosmos) pretende lançar no próximo mês, a bordo de um foguete Zenit, a sonda Phobos Grunt exatamente com essa finalidade. A missão, de três anos, consiste em fazer pousar uma sonda na lua distante, colher amostras do solo para análise e trazê-las de volta à Terra para uma análise detalhada. O nome da sonda em russo, significa “solo de Phobos”.

Se bem-sucedida, a Phobos-Grunt será uma vitória para a Roscosmos. Por muito tempo a Rússia se esforçou para chegar a Marte, mas não conseguiu realizar uma missão interplanetária com sucesso por décadas. Em 1996, a Rússia lançou o Mars 96 para explorar o Planeta Vermelho, mas ocorreu uma falha do foguete ainda em órbita da Terra. A Phobos-Grunt será pioneira, também, ao trazer a primeira amostra de uma superfície planetária desde a Luna 24, da antiga União Soviética, em 1976.

Como lua, Phobos é estranha. Com a forma de uma batata, mede somente 27 km em sua parte mais larga e orbita Marte a uma distância de somente de 6 mil km. Os pesquisadores acreditam que Phobos e sua companheira ainda menor, Deimos, surgiram como asteroides que foram gravitacionalmente empurrados para a órbita de Marte. As agências espaciais querem saber se o interior poroso dessas luas contém água, que seria ultilizada por futuros visitantes de Marte.

A Rússia já tentou chegar a esse destino antes. Falhas de computador fizeram com que as naves Phobos 1 e 2, ambas lançadas em julho de 1988, fossem abandonadas antes que pudessem completar suas missões. Nos últimos meses, surgiram rumores de que o lançamento da Phobos-Grunt será adiado para 2011, na melhor das hipóteses, quando a janela de vôo se abrir novamente.

Com esse atraso, os pesquisadores poderiam ter mais tempo para excluir itens desnecessários da carga útil da sonda. A Planetary Society ─ um grupo de defesa e exploração do espaço sediado na Califórnia ─ trabalhando em conjunto com o Instituto de Pesquisa Espacial da Academia Russa de Ciências, conseguiu que a Phobos-Grunt transporte o Experimento de Voo Interplanetário Vivo (Life, na sigla em inglês), um grupo de amostras de vida terrestre que deverá seguir para Phobos e voltar na nave russa.

O objetivo, segundo Bruce Betts, gerente do experimento para a Planetary Society, é procurar evidências da transpermia, a ideia de que a vida pode ter surgido em um outro corpo do Sistema Solar e sido transportada, via meteoritos, para semear vida em outro corpo. “A vida pode ter se desenvolvido primeiro em Marte, ter sido expulsa de lá e depois ter vindo para a Terra.”

Embora o Life não possa investigar um cenário tão detalhado, Betts acredita que os resultados serão acrescentados a outros semelhantes já obtidos por naves espaciais. Bactérias sobreviveram em órbitas baixas da Terra por até seis anos, mas rara, e momentaneamente, saíram da proteção da magnetosfera terrestre, que desvia os raios cósmicos prejudiciais provenientes das profundezas do espaço. (Quando o Apollo 12 voltou à Terra, em 1969, com a câmara da sonda não tripulada Surveyor 3, que passou mais de dois anos sobre a superfície lunar, os cientistas acharam o Streptococcus mitis, um possível passageiro clandestino embarcado antes de a sonda ser lançada. Mas a procedência da bactéria não é clara, e alguns suspeitam que a câmara foi contaminada depois de seu retorno à Terra).

Os microrganismos do Life foram escolhidos tendo esse risco em mente. Entre as quatro bactérias que farão a viagem estão as Deinococcus radiodurans resistentes à radiação. Tardígrados, invertebrados microscópicos octópodes ─ também conhecidos como ursos d´água ─ foram selecionados por sua capacidade de restaurar danos do DNA. Fechando o grupo há três espécies de archaea, também conhecidas como extremófilos, por sua capacidade de proliferar em condições adversas a outras formas de vida na Terra ─ juntamente com outras leveduras, sementes da planta, e uma amostra de solo coletada do deserto Negev, em Israel. A maioria das amostras será liofilizada e conservada para a viagem, para resistirem melhor ao frio do espaço.

A coleção Life será acondicionada em frascos individuais dispostos em um disco de titânio com a espessura de um cartão de crédito. Betts observa que a embalagem foi testada para ser submetida a forças de aceleração de 4.000 g, ou 100 vezes a aceleração prevista durante o retorno da nave.

No entanto, alguns cientistas espaciais estão tentando entender por que colocar micro-organismos terrestres perto de Marte, num primeiro momento, levando em conta que as vantagens científicas são bastante modestas. “Meteoritos sobrevivem por milhões de anos ─ porque uma viagem de três anos seria relevante," questiona Daniel Glavin, astrobiólogo do Centro de Voos Espaciais Goddard da Nasa, em Greenbelt, Maryland.

Por mais estranho que possa parecer, o experimento atende às proibições internacionais sobre contaminação de Marte ou de outros corpos que possam ter vida, comenta Catherine Conley, funcionária da proteção planetária da Nasa. Ao contrário do planeta que orbita, e sem ar, Phobos certamente é estéril e, portanto, desde que a Roscosmos forneça informações detalhadas do voo, confirmando que Phobos-Grunt vai atingir a lua alvo ─ uma distância segura de Marte ─ a missão estará autorizada.

“É desagradável,” observa Conley, “mas temos regras. E regras claras”.

Fonte: Scientific American Brasil

About Heytor Neco

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.