About Me

Biotecnologia

Sintetizando Gametas

Cientistas criaram espermatozóides em laboratório

Uma equipe de cientistas de Newcastle, Inglaterra, anunciou ter criado, pela primeira vez no mundo, espermatozóides em laboratório. Os investigadores acreditam que o seu trabalho poderá ajudar homens com problemas de fertilidade.

Num artigo publicado pela revista especializada Stem Cells and Development, a equipe de Newcastle afirma que, no entanto, serão necessários pelo menos mais cinco anos para que a técnica seja aperfeiçoada.

Os cientistas iniciaram a pesquisa com linhagens de células estaminais derivadas de embriões humanos doados após tratamentos de fertilização artificial.

As células estaminais foram removidas dos embriões masculinos com poucos dias de vida e armazenadas em tanques de nitrogênio líquido.

As células foram depois colocadas à temperatura do corpo e colocadas numa mistura química que estimulou o seu crescimento. Foram marcadas/rotuladas com um marcador genético para que os cientistas pudessem identificar e separar aquelas que dão origem a óvulos e espermatozóides.

As células masculinas passaram pelo processo de meiose, dividindo pela metade o seu número de cromossomas. As células sexuais (óvulos e espermatozóides) têm apenas 23 cromossomas, enquanto todas as outras células do corpo têm 23 pares de cromossomos, num total de 46.

O processo de criar e desenvolver os espermatozóides durou de quatro a seis semanas.

Os cientistas da Universidade de Newcastle afirmam que os espermatozóides criados no processo alcançaram maturidade e mobilidade, e produziram um vídeo documentando os resultados.

O professor Karim Nayernia, da Universidade de Newcastle e do NorthEast England Stem Cell Institute afirmou que este é um avanço importante, já que vai permitir aos cientistas estudar em detalhe como os espermatozóides se formam e levar a uma melhor compreensão sobre a infertilidade entre os homens.

Esta compreensão poderia ajudar-nos a desenvolver novas formas de ajudar casais que sofrem de infertilidade para que possam ter um filho que seja geneticamente deles.

Isto também permitiria aos cientistas estudar, por exemplo, como as células envolvidas na reprodução são afetadas por toxinas, ou por que crianças com leucemia submetidas a quimioterapia podem ficar inférteis e possivelmente chegar a uma solução.

Fonte: Universia

About Heytor Neco

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.